Total de visualizações de página

Páginas

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

O Reino de Deus e o reino dos homens



Mt 20.20-28
Introdução

Neste texto vemos duas visões completamente diferentes entre si. Elas refletem os desejos de dois reinos diferentes. O incidente descrito no texto ilustra bem o perigo de se preocupar com insignificâncias pessoais numa hora quando acontecimentos de imenso alcance espiritual são iminentes. De reflexões soleníssimas feitas por Jesus, com respeito à sua morte e ressurreição, passamos a um pedido ambicioso dos seus discípulos caracterizado pelo desejo de posições e poder.

I. A visão terrena do reino - reino dos homens

1. gera a cobiça por posições (v.21,22)
Segundo Mateus é a mãe de Tiago e João que formula o pedido (chamava-se Salomé e parece ser irmã de Maria). Ela queria que seus filhos recebessem posições de honra no reino. Esta é a primeira intriga eclesiástica por posições destacadas na igreja. Talvez uma maquinação contra a pessoa de Pedro, membro do grupo dos três.
O pedido de posições honoríficas e de autoridade presume a crença num reino terreno e revela a má compreensão que eles ainda tinha do reino de Deus.Os discípulos só olhavam para coisas deste mundo. Ainda estavam dominados pelos impulsos puramente humanos e pecadores. A cobiça por posições perdura até hoje e seus níveis de intensidade parecem ter aumentado e não diminuido. Provavelmente, além de estimulada pelo pecado, também pela estrutura de poder mantida ainda hoje pela igreja.

2. Gera indignação nos demais (v.24)
Os outros discípulos, ao ouvirem a proposta daquela mãe, evidenciaram uma atitude pouco louvável em comparação com os dois irmãos ambiciosos, pois eles também se sentiriam muito insatisfeitos com o último lugar. Parece que o que motivou essa ira foi o ciúme, mais do que a consciência da impropriedade da parte dos irmãos. A disputa pelo poder é algo que pode atingir proporções inimagináveis; despertar o que há de mais terrível dentro do ser humano e produzir os mais nefastos resultados.

É interessante percebermos que aqueles homens ainda estavam crus no tocante ao ensino de Jesus. Seus ouvidos estavam sempre atentos, mas seus corações ainda precisavam ser transformado pelo que ouviam. Jesus sempre deixou bem claro que ouvir somente não basta, é preciso que o homem obedeça seus ensinos; que seja transformado em uma nova criatura. Criatura moldada e dirigida pelo Espírito Santo. Criatura com novo coração, nova mente. Que luta para não mais viver segundo os padrões humanos, mas sim pelos divinos.
Pelo que podemos ver nesse texto o reino dos homens é caracterizado pelo desejo de primazia, desejo de poder, amor aos primeiros lugares. O reino dos homens ainda está dominado pelo pecado.

Vejamos o outro lado da moeda.

II. Visão celestial do Reino de Deus.

1. Exige assumir responsabilidades (v.22)
O Senhor fala de um cálice e de um batismo que Ele iria experimentar. Essa é uma referência clara ao sofrimento que o aguarda. Jesus usa essas imagens, com sentido tomado de empréstimo do AT, em que são empregados como imagens do julgamento divino. Tenta mostrar a seus discípulos que as posições alcançadas no reino passam pelo caminho do serviço ao extremo, aquele que está disposto a dar a própria vida. A replica dos dois irmãos está cheia de ironia. Acham que sabem que é que estão prometendo quando, na realidade, nada sabem. O fato de terem abandonado ao Senhor no jardim (26.56), mostra quão despreparados estavam para o que viria.
Como é interessante ver que as pessoas que almejam posições nunca sabem o que elas representam e exigem. Conseguem somente visualizar o "status" que elas revelam. Isso mostra o quanto estão despreparadas em si mesmas e também para ocupar tais posições, pois não conseguem enxergar as responsabilidades imbutidas nas mesmas.

2. Coloca Deus no trono (v.23)
Na verdade eles participarão de seu próprio sofrimento, e sofrerão sua própria cota de dores por causa do Senhor, no entanto isso não resolve a questão da posição que ocuparão no reino de Deus. Jesus insiste que esta é uma questão que compete a Deus, e só a Deus resolver. A honra vinda do homem é efêmera e conduz a soberba, mas aquela que vem de Deus engrandece e não acrescenta dores.

3. Apresenta uma nova estrutura de governo (v.25-28)

a) diferente do governo humano (v.25)
Jesus fala a todos os discípulos, fazendo contraste entre os padrões de vida entre os gentios com o padrão que seus discípulos devem seguir. Os governadores pagãos exercem domínio sobre seus súditos, não é assim que seus discípulos devem agir. No reino os homens, desde os tempos primódios até hoje, vamos encontrar a procura pelo poder; a satisfação em governar e assenhorar-se dos outros; o uso da influência pessoal para sua própria vantagem. Como cristãos devemos estudar as Escrituras para funcionar de acordo com o modelo e diretriz que nelas encontramos. Uma das diretrizes dizem respeito aos uso dos dons espirituais. Os dons são capacitações divinas dadas a cada cristão, através do qual ele fica habilitado a servir ao Corpo de Cristo. Pelo fato da obra do ministério ser espiritual, Deus provê uma capacitação espiritual a fim de que a Sua igreja possa executá-la. Não é de se admirar, portanto, que a obra do ministério falha, quando essa natureza espiritual deixa de ser compreendida. As igreja têm a tendência de confiar a obra do ministério a pessoas que demonstram habilidades naturais para a tarefa, mas fracassam lamentavelmente por não possuírem capacitação espiritual.

b) Exige o serviço ao próximo (v.26,27)
No reino o segredo da grandeza não está na habilidade de tiranizar os outros, mas na prontidão em servir ao próximo.Jesus tenta mostrar aqui um princípio dos mais importantes: a grandeza em se ser pequeno. Ele apresenta um novo modelo de liderança, conhecida como liderança de servo: o maior é em primeiro lugar aquele que serve a todos.


c) Apresenta Cristo como modelo (v.28)
Um grande exemplo de liderança de servo nós o temos no próprio Jesus. Ele é o Filho do homem, que veio para servir e não para ser servido. Sentar-se ao lado direito, ou esquerdo, no reino, exige uma vida de serviço semelhante a do Senhor Jesus.

Um comentário:

  1. Amém!!! Uma vida de serviço é tudo que precisamos para alcançar a vida eterna, infelizmente não é isso que querem mais algumas passoas.

    A Paz de Cristo

    Atenciosamente
    Ademir Junior
    Linhares/ES

    ResponderExcluir