Total de visualizações de página

Páginas

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

DIA DOS PROFESSORES


Em certa localidade pequena foi selecionado um grupo de crianças para participarem de um estudo científico. O estudo consistia em saber que rumo elas dariam as suas vidas e quais as influências sofridas ao longo dos anos.
Os anos se passaram mas aquelas crianças não foram perdidas de vista e chegando o tempo de conclusão da pesquisas elas foram trazidas aos avaliadores que descobriam que cada uma dela tinha tomado rumos diferentes.
Alguns tinham se desencaminhado e outros tinham construído algo positivo de suas vidas. A todos foram feitas inúmeras perguntas, e as respostas foram diversas. Mas quando perguntaram quais as influências que os levaram a tomar aquela direção em suas vidas; entre aqueles que estavam com suas vidas estabilizadas, a resposta foi única: “HAVIA UMA PROFESSORA”.
Professores, mestres, mentores, são dons divinos dados aos homens. Sua função vai além de fornecer informações, são educadores, formadores de carácteres. São como bússola que apontam o norte a seguir. E o que seríamos sem eles?
Todo o caminho que trilhamos foi calçado por eles, que como hábeis arquitetos e construtores nos construíram, não somente estradas, mas também pontes e viadutos.
Ao olharmos para traz é impossível não vê-los e ao olharmos para frente ainda assim haveremos que encontra-los.
Então aos Pedros, Ladis, Márcias, Reginas, e tantos outros nomes que tiveram, nossa mais eterna gratidão.
E a você que é uma professor (a), nosso estímulo. Seu sacerdócio é universal, mas que universal ele é divino. São pais, amigos e companheiros.
Prossigam com coragem, porque um dia receberão o mais cobiçados dos galardões: “"...e aqueles que conduzem muitos à justiça serão como as estrelas, para todo o sempre. (Daniel 12:3.)

terça-feira, 20 de março de 2012

A CRISE NEOPENTECOSTAL!


Estamos vivendo uma forte crise no Neopentecostalismo brasileiro. Uma crise de poderá ter diversas consequências. Poderá servir para separar o joio do trigo, bem como para colocar, no mesmo cesto, todos os cristãos desacreditando-os perante a opinião publica. E vários são os fatores que contribuíram para que tudo chegasse onde está.
Em primeiro lugar, a crise se deve ao fato desse segmento ser NEO! Suas jovens estruturas não aguentaram o peso desordenado e ambicioso de seu crescimento. Eles julgaram-se mais competentes que as igrejas tradicionais, e, em sua juventude desprezaram a experiência dos movimentos mais antigos e resolveram inovar. Suas inovações os levaram a muitos resultados, porém não àqueles esperados de uma verdadeira igreja de Cristo. Eles construíram uma casa sobre a areia; edificaram sem alicerces sólidos. Esse movimento se estabeleceu e desenvolveu desprezando os mais sagrados pilares da fé cristã.
Seu segundo erro foi se afastar da sã doutrina e se enveredar pelo caminho das novas teologias americanas. Para aqueles que ainda acreditam que tudo que vem do Norte é benção, quero lembra-los de um antigo livro cujo título era: “os demônios descem do Norte”. Ele trata do surgimento das seitas falsas no mundo moderno, mostrando que todas elas surgiram na América do Norte e depois chegaram à América Latina. A teologia da prosperidade, que se tornou a base para o Neopentecostalismo, prosperou graças a um país assolado pela hiperinflação, desemprego, miséria e outros males sociais. Seu apelo atingiu multidões e com isso inflamou o crescimento do Neopentecostalismo brasileiro. Essas igrejas não tem nenhum compromisso com a veracidade das Escrituras, seu compromisso é com seus ideais e ideias. Para alcançar seus objetivos adulteram a Palavra fiel e verdadeira. Além disso, passaram a usar o lugar da Palavra de Deus. Suas ordenanças e mandamentos são considerados de igual autoridade que a Bíblia.
Isso nos leva ao terceiro motivo da atual crise neopentecostal; a igreja se corrompeu com o materialismo e naturalismo desse mundo. A igreja foi designada para proclamar o reino de Deus e ao contrário disso passou a pregar somente o reino da terra. Em seu bojo veio o despertar de pecados que ela mesma devia combater. Pecados como a ganância, o orgulho pessoal, a busca dos prazeres, a soberba, o amor ao dinheiro e até mesmo a idolatria, que deveriam ser combatidos pela igreja, mas que passaram a ser o foco de sua mensagem.
A teologia da prosperidade prega o amor ao dinheiro, o apego às coisas materiais. Isso leva o indivíduo amar mais a benção que Aquele que abençoa. O dinheiro passou a ser o deus que resolve todos os problemas humanos. Ter ou possuir tornou-se mais importante que ser. As pessoas vendem sua própria alma, personalidade e caráter, simplesmente para possuir bens materiais. A fé e a espiritualidade passaram a ser confundidos com o conquistar bens terrenos. Os considerados mais espirituais, possuidores de uma fé mais profunda, são o que conquistam e possuem. Saímos de uma teologia da pobreza para uma teologia da prosperidade em poucos anos. De uma tese para uma antítese que deve gerar uma síntese como afirmava Hegel. Portanto a palavra chave para o próximo movimento teológico deverá ser “equilíbrio”, se Deus quiser!
A corrupção desse segmento cristão é tanto que os aliados se tornaram inimigos. Corromperam-se a tal ponto que passaram a disputar suas conquistas como os impérios faziam no passado. As instituições se tornaram mais importantes que a alma humana, que sempre foi o alvo prioritário da mensagem do Evangelho.
Outro motivo extremamente importante e que precisa ser colocado, é a transferência da fé em Deus. Como aconteceu com Israel no passado, e com a Igreja Cristã na Idade Média, quando abraçou a idolatria, acontece novamente e justamente dentro de um movimento oriundo da Reforma Protestante, que tanto lutou contra tudo isso. A idolatria é nada mais do que a transferência da fé em Deus, para um ídolo.  O movimento neopentecostal faz a mesma coisa quando transfere a fé das pessoas para objetos como: sal grosso, rosa ungida, copo de água ungido, dinheiro, etc. Isso porque é mais fácil acreditar no que é palpável do quem em um Deus invisível. Porém, tal prática é idolátrica. A fé cristã é em Deus e não em objetos ou pessoas!
Não podemos afirmar com exatidão os males que estão por vir e muito menos as consequências disso para o povo de Deus, mas sabemos que são sinais cada vez mais claros de que a Palavra de Deus é verdadeira e continua se cumprindo integralmente.